• Segunda semana de julho tem superávit de US$ 1,4 bilhão

    16/07/2018

    Na segunda semana de julho de 2018, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,435 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 5,016 bilhões e importações de US$ 3,581 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 9,356 bilhões e as importações, US$ 6,899 bilhões, com saldo positivo de US$ 2,457 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 123,068 bilhões e as importações, US$ 90,678 bilhões, com saldo positivo de US$ 32,389 bilhões.

    Acesse aqui os dados completos da balança comercial

    A média das exportações da segunda semana chegou a US$ 1,003 bilhão, 15,5% acima da média de US$ 867,9 milhões da 1ª semana, em razão do aumento nas exportações de produtos básicos (27,6%, de US$ 501,1 milhões para US$ 639,4 milhões, por conta de petróleo em bruto, carne bovina, soja em grãos, castanha de caju, milho em grãos, minério de ferro) e de produtos semimanufaturados (20,1%, de 109,6 milhões para US$ 131,6 milhões, por conta de celulose, ouro em formas semimanufaturadas, ferro fundido, semimanufaturados de ferro e aço, madeira em estilhas, estanho em bruto). Por outro lado, caíram as vendas de produtos manufaturados (-11,2%, de US$ 248,6 milhões para US$ 220,8 milhões, em razão de laminados planos de ferro e aço, automóveis de passageiros, cobre em barras, perfis, fios, etc, tratores, etanol, motores para automóveis).

    Do lado das importações, houve aumento de 8%, sobre igual período comparativo (média da segunda semana, US$ 716,3 milhões, sobre a média da primeira semana, US$ 663,5 milhões), explicada, principalmente, pelo aumento nos gastos com equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, siderúrgicos, adubos e fertilizantes, combustíveis e lubrificantes.

    Mês

    Nas exportações, comparadas as médias até a segunda semana de julho deste ano (US$ 935,2 milhões) com a de julho do ano passado (US$ 893,3 milhões), houve crescimento de 4,7%, em razão do aumento na venda de produtos básicos (43,3%, de US$ 397,9 milhões para US$ 570,3 milhões, por conta de soja em grãos, petróleo em bruto, carne bovina e de frango, farelo de soja, minério de ferro e minério de cobre). Por outro lado, houve retração nas vendas de produtos manufaturados (-33,3%, de US$ 351,7 milhões para US$ 234,7 milhões, por conta de plataforma para extração de petróleo, aviões, automóveis de passageiros, açúcar refinado, veículos de carga, tubos flexíveis de ferro e aço) e de produtos semimanufaturados (-2,7%, de US$ 124,0 milhões para US$ 120,6 milhões, por conta de açúcar em bruto, couros e peles, ouro em formas semimanufaturadas, ferro-ligas, alumínio em bruto, ferro fundido). Relativamente a junho de 2018, houve retração de 2,8%, em virtude da queda nas vendas de produtos manufaturados (-32,1%, de US$ 345,5 milhões para US$ 234,7 milhões) e semimanufaturados (-13,0%, de US$ 138,6 milhões para US$ 120,6 milhões), enquanto cresceram as vendas de produtos básicos (25,2%, de US$ 455,4 milhões para US$ 570,3 milhões).

    Nas importações, a média diária até a segunda semana de julho de 2018, de US$ 689,9 milhões, ficou 16,2% acima da média de julho de 2017 (US$ 594,0 milhões). Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com produtos farmacêuticos (37,4%), veículos automóveis e partes (34,1%), químicos orgânicos e inorgânicos (18,9%), equipamentos mecânicos (14,7%) e combustíveis e lubrificantes (14,2%). Em relação a junho de 2018, houve crescimento nas importações de 1,2%, pelo aumento em bebidas e álcool (36,6%), cereais e produtos da indústria da moagem (21,3%), combustíveis e lubrificantes (14,3%), filamentos e fibras sintéticas e artificiais (10,7%) e adubos e fertilizantes (10,6%).

    Fonte: MDIC